Bom Dia! São Paulo, 14 de Dezembro de 2017
Editorial Veja +
11 anos da lei Maria da Penha
11 anos da Lei Maria da PenhaNeste mês de agosto a Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340), completa 11 anos de existência. Isso é um marco na história dos direitos em defesa da mulher no Brasil. Mesmo assim, os casos de violência doméstica têm aumentado...

Ler Mais
Eunice Cabral
Presidente da Conaccovest-BR
 
Boletins Veja + Revistas Veja +
Versão Português / Portuguese Version  
Fevereiro/2016
Versão Português / Portuguese Version  
Dezembro/2014
Vídeos Veja +
LER/DORT - notificação compulsória pelo SUS
Enquete  
 
Queda da atividade econômica impacta resultado fiscal
01/12/2015



A redução da arrecadação de tributos em razão da queda da atividade econômica levou o setor público a registrar o primeiro déficit primário em meses de outubro.

O resultado negativo de R$ 11,530 bilhões também foi impactado pelo adiamento do cronograma de pagamentos de parcela do 13º salário de aposentados e pensionistas de setembro para outubro, disse hoje (30)  o chefe-adjunto do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Fernando Rocha.

“Esse fator impacta um pouco a comparação com o resultado de outubro do ano passado. Distorce ligeiramente a sazonalidade do mês”, disse Rocha.

Nos dez meses do ano, o setor público registrou déficit primário de R$ 19,953 bilhões. O governo central acusou déficit primário de R$ 34,041 bilhões.

Os governos regionais (estados e municípios) apresentaram superávit primário de R$ 17,143 bilhões, o maior para o período de dez meses desde 2013.

Segundo Rocha, as receitas dos governos regionais também são afetadas pela queda da atividade econômica, mas com o aumento das tarifas de energia elétrica e de combustíveis, houve crescimento da arrecadação dos estados e municípios.

Rocha acrescentou que houve também “um controle maior de despesas com investimento que segurou a evolução das despesas” dos estados e municípios.

Os gastos com os juros que incidem sobre a dívida chegaram a R$ 17,884 bilhões em outubro. Em setembro, eles foram maiores: R$ 69,993 bilhões.

Essa redução ocorreu devido ao impacto nas operações do BC de swap cambial, equivalentes a venda de dólares no mercado futuro. Nos meses em que o dólar sobe, o BC tem prejuízo com as operações de swap.
Quando a cotação cai, Banco Central tem lucro. Os resultados são transferidos para os juros da dívida pública.

Em setembro, o BC registrou perdas de R$ 38,6 bilhões com operações de swap cambial. Em outubro, com queda do dólar de 2,87%, houve ganho de R$ 19,030 bilhões.
De janeiro até 20 de novembro, o BC acumula perdas de R$ 83,4 bilhões.

Ao mesmo tempo que a alta do dólar gera perdas com operações de swap, ajuda a diminuir a dívida líquida do setor público (balanço entre o total de ativos e passivos dos governos federal, estaduais e municipais).

Isso acontece porque as reservas internacionais, ativos da dívida pública, são em dólar. Em setembro, houve ganhos de rentabilidade das reservas internacionais no total de R$ 95,118 bilhões.

Já em outubro, com a queda do dólar, as perdas chegaram a R$ 44,323 bilhões. De janeiro a 20 de novembro deste ano, os ganhos de rentabilidade das reservas internacionais, menos o custo de captação, ficaram em R$ 213,257 bilhões.

A dívida líquida do setor público chegou a R$ 1,972 trilhão em outubro, o que corresponde a 34,2% do Produto Interno Bruto (PIB), com aumento de 1 ponto percentual em relação a setembro.

A dívida bruta (contabiliza apenas os passivos dos governos federal, estaduais e municipais) chegou a R$ 3,814 trilhões ou 66,1% do PIB, aumento 0,1 ponto percentual em relação a setembro.


   

Fonte: agencia brasil

Compartilhe:
Compartilhe no Facebook
Imprimir
Voltar
 
 
Visitantes
Nº de Visitantes
Sede Conaccovest - Brasília
SHS, Quadra 02, Bloco J –Loja 01 – Edifício Bonaparte Brasília – DF
Cep: 70322-901 Tel: 0xx 61 - 3225.0950

Desenvolvido por
Ábaco Informática - (11) 3333-3234